12 de jan de 2010

Não separeis o que Deus juntou

O amor,é a fonte da vida. Mas o que é necessário para que
este sentimento permaneça para sempre entre dois seres?

   Qualidades como: paciência,disciplina,concentração, amizade,
respeito e, principalmente, afinidade, são indispensáveis para
que o amor dure entre o casal. Entretanto,este afeto não deve
ser apenas um ato solitário a dois, onde ambos se isolam do mundo
externo e buscam satisfazer suas individualidades. Pois, se queremos
transformar a humanidade em uma nova civilização fraterna e feliz,
será primordial resgatar o amor altruísta por tudo o que está ao redor.
E esse amor a tudo e a todos se desenvolve a medida que o casal é
capacitado para construir uma humanidade melhor. E isto refletirá para
ambos no exercício contínuo do verdadeiro amor, puro e sublime,
orientado e edificado nos ensinamentos de Jesus.

Acerca desse assunto, A llan Kardec em O Livro dos Espíritos,
questão 696,diz:

''[...]o casamento constitui um dos primeiros atos de progresso das
sociedades  humanas, porque estabelece a solidariedade fraternal e
se observa entre os povos, ainda que em condições diversas.
A abolição do casamento seria, pois, regredir á infância
da humanidade[...].'' 1*

 Compreendemos o casamento como um laboratório e a família como núcleo
primeiro da vida social,onde o casal é a célula da civilização e o amor
que os une é de caráter divino. É essa união que permitirá que os
compromissos assumidos por eles nas vidas pretéritas propicie o surgimento
do amor incondicional baseado nas lições contidas nas palavras de Jesus.
Todavia, nas últimas décadas percebemos que o casamento tornou-se
bastante flexível e em muitos casos a durabilidade de inúmeros
casais está cada vez mais baixa; isto acontece,pois,quando a paixão
acaba e o casal não tem um relacionamento fortalecido pelos
ensinamentos valiosos dos evangelho, o casamento fica enfraquecido
pela rotina gerando, assim, problemas conjugais que quase sempre
resultam em divórcio.

Sobre esta questão,Allan Kardec em O Evangelho Segundo o Espiritismo,
Cáp.XXll,diz:

''[...]na união dos sexos,a par da lei material,comum a todos os
seres vivos, há uma a outra lei divina imutável,como todas as
leis de Deus, exclusivamente moral: a lei de amor. Quis Deus que
os seres se unissem não só pelos laços da carne,mas pelos da alma,
afim de que a afeição mútua dos esposos se transmitisse aos filhos,
e que fossem dois,e não um somente,a amá-los,a cuidar deles e a
fazê-los progredir .[...]’’. 2*

O casamento deve ser interpretado como um laboratório onde o casal
busca o crescimento moral de cada um e ambos funcionam como
‘’espelho’’ para o outro; fator desencadeante do exercício pleno
da caridade. É importante pensar em todas essas questões porque,
através das mesmas, compreendemos que só pode haver um verdadeiro
relacionamento a dois se o casal conhecer a si mesmo e aceitar a
responsabilidade de amar profundamente um ao outro nos bons e maus
momentos e por toda vida. Isto acontecerá a partir do momento
em que o casal atinge o amadurecimento espiritual refletindo, assim,
nas relações sociais, pois, no momento que estes dois seres avançam na
escala evolutiva eles serão centro de irradiação de paz e solidariedade
em todas as instâncias da humanidade.

Acerca desse assunto,Allan Kardec em O Evangelho Segundo o
Espiritismo,Cáp.XI,diz:

‘’Os efeitos da lei de amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana
e a felicidade durante a vida terrestre[...]resultantes da prática
deste preceito: Não façais aos outros o que não quiserdes que vos façam;
fazei-lhes,ao contrário,todo o bem que vos esteja ao alcance
fazer-lhes.’’ 3*

E para o aparecimento desta evolução espiritual as uniões matrimoniais
devem ser conquistadas com o indispensável aprendizado do qual
necessitamos através da prática do bem e do amor fraterno.É através da
lei de amor, que as almas que se reencontram, e que necessitam resgatar as
dívidas adquiridas através de diversas existências, vão reabilitar-se
moralmente e atingir a plena felicidade.

Karina Belo


Referências:

1* O Livro dos Espíritos.91.ed.Rio de Janeiro:FEB,2008.
Comentário da questão 696.

2* Kardec,Allan.O evangelho segundo o espiritismo.127.ed.
Rio de Janeiro:FEB,2007.Cap.XXII,item 3.

3*Kardec,Allan.O evangelho segundo o espiritismo.127.ed.
Rio de Janeiro:FEB,2007.Cap.XI,item 9.